Welcome to belieber world. Be nice here. Thank you. +Follow | Dashboard
when you love someone


Credits

Template : Qistina Re
others : una & Athirah
Best view : Google Chrome



Capítulo 115 - A felicidade me alcançou, afinal.
quarta-feira, 10 de outubro de 2012 | 16:23 | 3 comments

O natal havia passado em um piscar de olhos, e no outro, o ano novo. Sem meus pais, sem o Justin. Eu não estava desprezando a família da Caitlin, com quem passei essas datas, mas meu desejo real era abraçar meus pais, e depois receber a visita do Justin em casa, em seguida ele me levaria na casa dos meus amigos e dos dele. Essa era a programação perfeita, o natal perfeito, mas não foi bem assim e eu já até havia me conformado. Sobre eu e o Justin? Bem, já se passou tanto tempo, no início foi realmente difícil manter o foco em alguma coisa, eu me sentia mais sozinha do que nunca, e a sensaçao era horrível, mas, conforme os dias, os meses foram se passando, foi ficando mais facil lidar com isso. Claro, nos falamos por telefone....... algumas vezes, na verdade, estávamos tão ocupados, tanto da parte dele, como da minha, que mal tinhamos tempo para isso. Por um lado, era muito ruim, mas por outro era bom, ouvir a voz do Justin só me fazia sentir pior, já que ele estava distante demais e além disso podiamos nos concentrar mais em nossas carreiras. Não que eu não pensasse nele, era difícil não pensa, por isso, sempre que tinha tempo, eu via alguma notícia ou entrevista dele na tv ou pelo celular.

Bom, haviam passado mais de dois anos, bem mais... Terminei a gravação dos filmes, e resolvi fazer uma facudade de arquitetura, comprei meu próprio carro e estava tocando minha vida para frente.

- Já vai... pensei que ia comer alguma coisa conosco! - ouvi a voz do Mat atrás de mim. Minha aula já havia acabado, mas eu estava tão distraída com meus pensamentos enquanto andava pelos corredores que esqueci esse detalhe.

- ah... sobre isso eu... - Na verdade tinha outros planos.

- Deixa, fica pra próxima, né Sam? - Jessie cutucou ele com o cotovelo e acenou pra mim. - pode ir. - ela piscou a sorriu. Jessie era uma amiga da faculdade, ah e... Mat fazia faculdade comigo, mas em um departamento diferente. Eles dois andam saindo bastante, ela gosta bastante dele, mas Mat é um pouco cabeça dura agora em relação a isso, mas no fundo, sinto que ele gosta da perseguição dela, é algo bem engraçado.

- mas, amanhã a noite, vamos nos encontrar com o resto do pessoal lá no mesmo lugar, certo? - ele insistiu e eu o olhei meio indecisa. - Mas Sam... na noite de amanhã vai ser natal!

- eu sei, qualquer coisa eu aviso antes. Tchaau! - acenei e me apressei em ir embora.

Assim que cheguei em casa e joguei no sofá, detalhe, eu havia trocado de apartamento para um maior, em um lugar mais liberal tanto que...

- CLOOOOOOE... cade você? - gritei chamando pela minha fofa pincher nanica. Ela havia virado minha companhia, era meio que irônico como a consegui. Estava andando na rua, voltando para casa na noite de ano novo e a vi na rua, ela foi artropelada e ninguém se comovou em ajuda-la, então passei o resto da noite atrás de um veterinário pra nanica. Logo senti ela pular na minha barriga toda alegre.

Passei o resto na noite praticamente, vendo tv, e brincando com a Cloe, ela não era fácil esta sempre atráz de atenção. Na hora de dormir tenho que deixá-la ao pé da cama, e ela ainda se enrola, cachorro mais abusado não existe.

No dia seguinte acordei tarde mas já tinha mensagem no telefone pra mim, do Mat, da Lily, da Caitlin e da família dela e de outras pessoas, era bom saber que tinham mpessoas que me amam e se preocupam comigo. A tarde apenas passei o dia como todos os outros e logo que a noite caiu eu me arrumei, prendi o cabelo e sai de casa. Parece então que Justin também iria vir esse ano. Fui até o local onde marquei de me encontrar com o pessoal da faculdade e o Mat, que já estava lá... Com a Jessie claro. Nos encontramos com o resto do pessoal e ao todo éramos 19 pessoas, algumas da minha classe e outras da dele, e ainda eram previstas mais, depois disso fomos até um bom bar/rest e comemos e ficamos bebendo, até que foi bastante divertido, por alguns momentos esqueci de tudo que me impedia de sorrir naquele dia, pra falar a verdade me diverti muito, mas antes de meia-noite todos foram embora, para a família ou namorado(a). Eu saí de lá direto para outro rumo, fui visitar meus pais onde eles foram enterrados.

( comecem a ouvir essa musica ok? *-* )

Antes passei em uma floricultura e comprei um buquê de flores qe havia deixado no carro, então assim que cheguei ao cemitério, peguei o buquê e fui até o túmulo deles, eu havia evitado esse dia por tanto tempo que era um pouco estranho a sensação. Coloquei as rosas no pequeno jarro de concreto em cima. Passei um bom tempo apenas observando e quando me dei conta estava falando mentalmente com eles, esperando na certa alguma resposta que eu sabia que não viria. Eu podia lembrar das histórias antigas de meu pai e os conselhos bem produtíveis da minha mãe, eu podia lembrar de tudo. Não sei quanto tempo ainda fiquei ali, apenas esperando por algo impossível.


- JUSTIN ON - 


Com certeza eu tinha uma grande surpresa pra Sam essa noite, e claro, pedir desculpas pra ela por não ter dado muitas notícias. Eu tava louco de saudades dela, então corri o mais rápido que pude para o apartamento novo dela mas quando cheguei lá a Sam não estava. Liguei para a Caitlin e ela disse que a Sam comentou que passaria a noite de natal com uns amigos mas não sabia de muitos detalhes. Tentei ligar pro celular dela mas apenas chamava, sem resposta, então não tive escolha a não ser ligar para o Marte (obs: meu novo apelido pra ele.).

- oi? - ouvi a voz dele.

- hei, e o Justin...

- ah, você, oque quer? - ele respondeu.

- saber onde está miiiinha namorada, por um acaso escutei que ela estaria com uns amigos... inclusive você... - falei sem muito entusiasmo e ouvi ele suspirar.

- olha, ela saiu do bar e disse algo sobre ir visitar os pais... - ele respondeu no mesmo tom e então entendi.
- ah, ok. Você foi util, obrigado. - desliguei sem nem esperar a resposta.

Dirigi ainda mais rápido para o cemitério, provavelmente era onde ela estava... Ou em lguma igreja, mas era mais obvio o cemitério onde os pais dela haviam cido enterrados. Sei que ultrapassei alguns sinais e com certeza consegui uma multa, mas cheguei lá o mais rápido que pude, e por mais que eu odeie esse tipo de lugar, corri a procura dela e quando cheguei na sepultura deles ela não estava lá.

- onde você se meteu Sam? - olhei em volta para vê se a via indo embora mas nada... Meu plano ia acabar dando errado nesse ritmo. Olhei para a foto deles na cerâmica e suspirei, pedi mentalmente para que os pais dela nos abençoacem e me desse a permição que eu precisava, também desejava que eles estivessem aqui, mas de algum jeito sabia que eles estavam cuidado da Sam de lá de cima.

Sai correndo do cemitério e entrei no carro, de novo, voltei a dirigir, agora mais devagar e pensando em um lugar que ela poderia estar.

- tsc... isso não é legal cara. - bufei e olhei pro lado, foi quando vi, desacelerei mais o carro e coloquei a cabeça pra fora olhando, era isso. Tenho certeza que era o carro da Sam ali atrás, estacionado do lado de uma praça, não estava longe do cemitério mas não tinha ninguém, aparentemente. Dei a volta na praça e estacionei atrás do carro dela. Provavelmente era o carro dela mesmo, uma vez ela havia me mandado uma foto do carro, assim que o comprou.

Desci do carro e fui andando pela praça (lê-se: praticamente correndo) até que, de longe, a vejo sentada na beirada da fonte no meio da praça, que sim, estava vazia.

- tão descuidada... - suspirei aliviado ao vê-la, mas senti algo mais forte no peito, depois de tanto tempo, tanto tempo esperando vê-la de novo... Ela estava mais linda que nunca.
Assim que o olhar dela encontrou o meu a longe, pude perceber a susrpresa estampada na testa dela, instantâneamente sorri e corri até ela.


- JUSTIN OFF. - 


Eu havia perdido totalmente o juízo, podia jurar que era o Justin vindo em minha direção sorrindo, mas só podia ser coisa da minha cabeça... Ele não tem como... Mas... Não pude deixar de levantar e dar um passo a frente. A essa altura as lágrimas já escorriam livres pelo meu rosto. Retrocedi meu passo um pouco chocada e ele parou a alguns pés de distância de mim, e ele era bem real, muito mais que só minha imaginação.

- J..US..TIN...  - consegui dizer com muito esforço, tudo o que ele fazia era sorrir e os meus olhos, brilhar. Eu estava tão, tão feliz que mal podia acreditar. Ele se aproximou de mim e segurou meu rosto com as duas mãos.

- eu... senti TANTO a sua falta, eu te amo demais Sam, - ele falou com o rosto prto do meu. - eu te amo.
- ti...tive tanto medo que você não voltasse mais... - disse entre as lágrimas, só com o pensamento meu peito doeu, mas ele mais uma vez riu.

- ... eu te disse que nunca mais te deixaria ir, certo? - concordei me lembrando quando ele disse isso no acampamento. - eu não menti. Agora acabou, nada mais vai nos separar, nada Sam.

Sorri feliz em ouvir aquelas palavras e concordei mais uma vez o abraçando mais forte que pude, claro, Justin retribuiu o abraço e ali pude perceber que ele falava a verdade, nada poderia nos separar agora, nem distância, nem os erros, nem Selena, Mat ou qualquer outra pessoa. Ele afastou o rosto um pouco e então o olhei, aproximei meu rosto do dele e então ele me beijou. Justin passou os braços apertados em minha cintura colando meu corpo ao dele enquanto tentávamos matar a saudade com aquele beijo.

De longe comecei a ouvir as batidas de um sino, era sinal de natal. Imediatamente Justin parou o beijo e sorriu pra mim, quando achei que ele diria algo, Justin de repente se abaixou encostando um joelho no chão e pegou algo no bolso. Uma caixinha. Meu coração disparou tão rápido que não sei como não tive um infarto. Ele abriu a caixa e claro, tinha um anel LINDO dentro. Instintivamente coloquei a mão na boca surpresa, Justin a puxou segurando minha mão por baixo.

X_38b69bbc_large

- Samantha, você aceita se casar comigo? Sim... - ele sorriu aquele lindo sorriso dele. - ou sim?

Não pude deixar de soltar uma risada que se misturou com o choro e saiu algo muito estranho. Mas não esperei muito e concordei. - aceito... - disse com a voz quase falhando, e então ele colocou o anel no meu dedo, dando um beijo em cima logo em seguida.

Justin me beijou novamente e saiu me puxando para o carro, em direção provavelmente a minha casa, eu não iria repreende-lo, eu não iria fugir, não iria reclamar, não iria jamais desistir. Estando com o Justin, por mim tudo bem.


-


- MÃE, a Sam está grávida! - Justin disse tão rápido que quase se tornou um palavra só... Logo em seguida a sogrinha Pattie caiu pra trás mas por sorte o Robert a segurou. Sim, o Robert era um tal "amigo" da sogrinha, mas ok. Justin M-O-R-R-I-A de ciúmes, mas O-K. - MÃE... ACORDA MÃE... - ele se desesperou balançando os ombros dela. Por algum motivo eu quiz rir mas me segurei.

- ai meu filho, como isso aconteceu... quando isso...? - ela disse com a mão na testa sendo segurada pelo Robert ainda. A sogrinha parecia se aproveitar da situação.

- bom mãe, você não quer que eu especifique né? - Justin disse e eu lhe dei um tapa atrás da cabeça. - ai... - ele reclamou olhando pra mim em seguida pra mãe dele. 

- ..quando isso... vocês ainda nem casaram filho... Justin meu filho, sou tão nova pra ser avó... - ela disse abrindo um olho e o olhando. 

- quando? Não sei te dizer qual das v... - ele ia falando e eu lhe dei outro tapa, e dessa vez fiquei com o rosto vermelho. 

- Pattie, não precisa se preocupar tanto com isso, nós estamos muito felizes. - sorri a olhando. - apenas confie em nós certo. 

Ela sorriu e se ajeitou chegando perto de mim e me abraçando. - vocês não vão se mudar pra longe certo? - ela disse baixinho no meu ouvido e eu ri. A gente tinha ido morar em uma casa apenas, assim estavamos sempre perto um do outro, e o Justin perto da mãe dele. Isso a algum tempo já. 
- não... - falei baixo também. - eu prometo. - ri. 

- ah, como vai ser essa princesinha ahn? - ela disse olhando pra minha barriga e eu ri novamente, estávamos todos felizes com essa notícia. 

Não demorou muito pra ficar evidente minha gravidez, então apressamos logo o casamento, foi o dia mais feliz da minha vida, e eu me lembro disso todos os dias. Eu já atrasada para entrar porque estava enjoada demais, e quando finalmente pude ir, vi o olhar de aflição e alívio do Justin assim que fui me aproximando dele.Pude ver o Mat, meu amigo mais confiável, ali do lado, como meu padrinho (ah, ele e Justin finalmente pararam de se estranhar), no banco a frente estava a Jessie que não parava de sorrir para ele (estavam finalmente namorando), depois, vinha o Chris e o Chaz, com a Caitlin e a Lily também.  Nada de igreja, apenas uma cerimonia no jardim da NOSSA casa. Eu estava tão feliz que parecia ser algo impossível. Lembro exatamente do momento em que eu disse sim, e o Justin disse: " - Mas é claro, só que, podemos logo pular pra parte do beijo, e depois a  lua-de-mel padre? " e então todos rimos, menos o padre, é claro.


- 5 anos depois -


- aaaah - Senti um peso em cima das minhas costas. - quem será que esta me acordando tão cedo? - reclamei com uma voz enjoada e ouvi um risinho.

- mãin... mamãeeeee... - senti um par de mãozinhas me cutucando e continuei com os olhos fechados até me virei e consegui segura-lo antes que caísse, ouvi outra risadinha. Tinha o meu espírito aventureiro mas... - me pergunto como pode ser tão a cara do seu pai, praticamente ele nascido de novo... - eu ri da minha própria observaçaõ.

- tem razão... Não reclame, em compensação... - ouvi a voz rouca do meu marido e quando olhei para a porta ele estava encostado na mesma com os braços cruzados... sem camisa... tsc. Ele olhou para o corredor e ouvi pequenos passos rápidos, logo uma pequenina aparece na porta com um lindo bico e bracinhos cruzados.  - essa é totalmente você. - ele riu.

- SOLTA A MAMI "JXEZON" - Anny veio correndo até a cama atrapalhada e começou a empurrar o Jason. Ela com certeza tinha a personalidade do pai, encrenqueira.

- vocês são dois irmãos muito mimados sabiam? - ri abraçando os dois e os derrubando na cama enchendo-os de beijinhos, era a melhor coisa acordar ouvindo aquelas duas risadinhas.

- epa, to com ciúmes, cade o meu beijo? - ouvi o Justin e olhei pra trás me levantando e correndo até ele, passei meus braços pelo seu pescoço e o beijei. Logo ouvi as crianças reclamarem e ri. - ... ei, ela é minha mulher ok?

- mas é nossa mamãe! - os dois disseram juntos.

- ah, como sou amada. - Eu ri fazendo cara de "I'm fabulous" e dei um selinho no Justin. - arruma eles que eu faço o café da manhã, tá?

- ok! - ele me beijou de novo  e então eu sai.

Preparei o café da manhã das crianças e esperei, não demorou muito para que a Anny passasse corredo pelada e cheia de sabão pelo corpo, Justin não conseguiu controlá-la de novo. Fui atrás dela e então terminei ajudando o Justin a arrumá-los para a escola. Eles tomaram café da manhã e não demorou muito para que a campainha tocasse.

- VOVÓ, VOVÓ - Anny saiu correndo com Jason atrás dela para o portão.

Ficamos na porta esperando ela entrar e assim que ela se aproximou eu a cumprimentei com um abraço e sorri.

- Não vai trabalhar hoje Sam? - ela disse sorrindo com as crianças um em cada lado dela. Senti Justin me abraçar por trás e segurar minha cintura e antes que eu pudesse responder ele o fez.

- hoje ela é só min... - quando ele viu a cara das crianças pra ele resolveu mudar a frase. - hoje ela tá de folga. - ele riu e eu também, passei a mão no cabelo da Anny e no rosto do Jason mandando um beijinho pra eles.

- VAMOS VOVÓ, VAMOS! - Anny começou a puxá-la acompanhada pelo Jason. Pattie olhou pra trás para o Justin com o olhar desconfiado e não pude deixar de rir.

- essas crianças... - ainda pude ouvir ela dizer, e sabia que ela se referia a nós dois.

Justin que ainda segurava minha cintura, me deu um cheiro e um beijo no pescoço e então me virou pra ele.
- agora sim... só nós dois... finalmente. - ele sorriu e eu neguei com a cabeça. Antes que ele pudesse me agarrar Cloe começou a latir atrás de nós.

- esqueceu dela, e ela não gosta disso. - eu ri.

- ok, Cloe... você tem sua família, vá cuidar dela. - Justin começou a me puxar. Ele tinha trago o Sammy para cá, claro. E sabe o que deu né? Agora moram duas famílias nessa casa.

- temos bastante membros na família né? - disse sorrindo deixando ele me abraçar pela cintura de novo e ir me guiando até o quarto.

- uhum... - ele me virou pra ele assim que entramos no quarto e então fechou a porta. - que tal deixa-la ainda maior? - ele disse com uma voz sedutora, olhei atentamente para ele vendo que ainda estava sem camisa e suspirei, não ia poder dizer não pra ele nessa situação, apenas ri e não dando alguns passos para trás e caindo em cima da cama.

                            

Sabe como é, Justin não esperou um segundo e se aproveitou para cair em cima de mim e me beijar.
- eu te amo Justin, seu bobo. - eu ri dando um selinho nele.

- eu te amo muito mais, meu amor. - ele respondeu e não precisamos dizer mais nada.









No final, tudo havia dado certo, acho que no fundo eu sabia disso o tempo todo, não é mesmo? Porque... WHEN YOU LOVE SOMEONE, você pode passar por tudo, e mais um pouco, desde que você mantenha esse sentimento dentro de si e a pessoa que te ama ao seu lado. 


FIM! 






NOTAS FINAIS: Espero que realmente tenham gostado, desculpa por alguma coisa e pelas vezes que atrasei. Para quem acompanhou até aqui, só tenho que agradecer. Muito obrigada beliebers <3 
Capítulo 114
domingo, 7 de outubro de 2012 | 08:25 | 6 comments

Depois que entramos resolvemos ir comer algo no hotel mesmo, eu já havia começado a pensar por quanto tempo mais Justin ia adiar a viajem dele por causa de mim, por um lado eu naõ podia deixar de me sentir bem tendo ele por perto, mas por outro me senti culpada principalmente pelas garotas que estão lá fora. Não posso simplesmente chegar depois e querer tirá-lo delas, é injusto. Mas, Justin sentado ao meu lado parecia tão feliz que eu mesma não queria falar disso ainda, não na frente de outras pessoas. Outra coisa que vinha a minha cabeça era o natal, estava chegando e iria ser meu primeiro natal sem minha família.

- Justin... eu tenho que ir. - falei baixo pra ele e ele me olhou com uma cara nada feliz. - Caitlin tá me esperando...

- mas... - ele mesmo não conseguiu encontrar uma desculpa então eu sorri. Me levantei e me despedi do pessoal, dei um abraço na Pattie e nós fomos até o carro do Justin fora do hotel, era a oportunidade que eu esperava. - não entendo porque não pode ficar no hotel comigo, que nem antigamente...

- as coisas não são bem assim Justin... - o cutuquei no braço, já estavamos dando a partida e saindo do estacionamento. - Justin, quando você vai começar a turnê? hm? - olhei para ele, não podia desviar os olhos ou ele ia perceber meu desconforto.

- que? - ele respodeu como se tivesse esquecido isso. - eu.. na verdade não sei. - falou ainda olhando pra frente e dirigindo.

- Justin, não sei porque, mas minha intuição me diz que isso é por minha culpa, você não pode fazer isso certo? Você tem que ir, pensa, quanto antes você for mais rápido pode voltar,  ok? - sorri.

- com uma condição... - ele me olhou rapidamente e voltou a dirigir. - você vem comigo.

- ah... esse garoto... - suspirei negando com a cabeça. - esqueceu que eu trabalho? Minhas gravações vão começar. Não posso ir. - suspirei de novo, ele só tava complicando tudo. - Justin, não credito que terei de te xantagear.

- depende da xantagem...

- tsc, tem que te explicar as coisas como se você fosse alguma criança... - apertei a buchecha dele e ri, mas ele continuava sem expressão alguma. - você não pode deixar suas fãs, quer que elas me odeiem eternamente? ahn? De qualquer forma, pense mais nelas, a gente ainda vai se ver, certo?

Justin suspirou e pude perceber ele apertando o volante com mais força. - tem que te exlicar as coisas como se você fosse criança... Acabei de conseguir te ter de volta, não quero te deixar um minuto longe de mim. Por quanto tempo isso pode se arrastar, tanto pra você quanto pra mim?

- eu vou te esperar o tempo que for, você me deve um voto de confiança, certo? Eu to confiando em você Justin. - Justin entrou com o carro no estacionamento rapidamente e logo achou uma vaga no estacionamento e parou o carro, me estiquei colocando a mão no rosto dele e o virando pra mim, forcei o melhor que pude um sorriso e lhe dei um selinho demorado. - sabe... eu te amo, também não vou deixar mais que você escape. - Justin segurou minha cintura me puxando pro colo dele e me abraçando. Fiz cafuné na cabeça dele enquanto podia sentir sua respiração perto do meu ombro, eu queria chorar mas estava me esforçando pra não fazer isso, não na frente dele. Era eu quem mais precisava dar forças pra ele ir. - você pode ir. Você adora cantar, se apresentar naqueles palcos... Suas fãs gostam de estar perto de você... Não vou te tirar tudo isso por capricho, eu também preciso me dedicar ao filme. Enquanto isso posso colocar os pensamentos no lugar, e quanto ao Mat, você pode ficar tranquilo, somos apenas amigos, ele me ajudou em um momento difícil, não posso simplesmente ignorá-lo... - Justin permaneceu em silêncio. - vou ter que te dizer te amo outra vez? - sorri e ele concordou com a cabeça. Me afastei um pouco pra que ele me olhasse e assim que o fez eu sorri. - eu te amo Justin, eu não sei como você fez isso duas vezes, mas, parece que realmente alma gêmea existe né? - ele finalmente soltou um riso baixo e concordou de novo, me aproximei dele e nos beijamos prolongando isso por um bom tempo.


-


Havia entrado em casa e a Caitlin não estava, tomei um banho e coloquei uma roupa bem confortável me jogando no sofá logo em seguida, não iria chorar mais, eu estava fazendo a coisa certa, não haviam motivos para choro. Não demorou muito e recebi uma ligação do Mat, as prováveis data da estréia do filme já haviam sido lançadas, as gravações provavelmente iriam começar de novo, e teríamos uma entrevista amanhã de tardezinha.

Quando a Caitlin chegou disse que tinha ido dar uma volta ja que eu estava namorando e esquecendo dela, então tive que recompensá-la. Troquei de roupa e nós saímos andando mesmo pela cidade. Primeiro paramos em um loja de cd's e enquanto olhávamos colocávamos alguns cd's para escutar no fone, estava anoitecendo e eu estava m e divertindo, só assim pra esquecer as coisas ruins. Depois que saímos da loja de cd's passamos por uma praça onde tinha um grupo de rua dançando, resolvemos parar e ver e eles não estavam só dançando, mas fazendo mímicas também. Acabou que eu e outra garota que estava no meio das pessoas tivemos que competir pra acertar as mímicas junto com outra dupla na qual Caitlin fazia parte, estava sendo muito legal.  Depois que a brincadeira acabou eles nos puxaram para o meio e tivemos que dançar com eles, pelo menos um pouco sobre isso pude aprender já que eu era um desastre natural com dança.

Ainda depois que saímos da praça, parecia que havíamos deixado nossas energias com aqeles carinhas, então fomos tomar um belo de um sorvete e finalmente voltar para casa. Antes dormimos expliquei tudo o que havia acotecido para a Caitlin e ela concordou comigo me dando força.





No dia seguinte acordei com a Caitlin me sacudindo que nem maluca para irmos ao shopping, não pude negar e me levantei, fiz minha higiêne matinal, tomamos café da manhã, depois eu me troquei e nós saímos. . Não demorou para que chegássemos logo ao shopping, lá mesmo nos encontramos com a Lily e fomos as compras, fazia tempo que não saia com minhas amigas assim pra se divertir realmente, e sei que é errado pensar dessa forma mas pelo menos o Mat não estava aqui, o Justin não iria se irritar. A última coisa que eu queria era discutir com o Justin agora, e por falar nele, me ligou mas quem atendeu foi a Caitlin dizendo horreres para ele porque ele não me deixava respirar, tive que tomar a colular a força dela e desmentir tudo o que ela disse. Caitlin era má sem dó nem piedade, mas Justin concordou em nos deixar por hoje, mas disse que precisávamos conversar então a noite depois da entrevista ele iria me ver.

Fizemos várias compras de tudo quanto é tipo e em seguida fomos comer no shopping mesmo, como eu era gulosa e ainda estava cheia de fome, pedi o maior amburguer que tivesse no macdonald's, enquanto comia Caitlin e Lily me olhavam como se eu fosse alguma espécie de maluca. Ainda assistimos um filme no cinema e voltamos para que a Caitlin comprasse ainda mais coisas, e depois aí sim voltamos  para o apartamento e a Lily voltou conosco. Já que eu não tinha muito tempo sobrando, cheguei em casa, nós ainda almoçamos, e logo depois me arrumei para a entrevista. 


Assim que cheguei ao estúdio o Mat já estava lá, comecei a pensar no que iríamos falar, provavelmente já sabiam sobre mim e o Justin, e tudo havia sido tão de repente, eu realmente estava nervosa com essa entrevista, não tinha a mínima ideia de como responder essas perguntas. Eu esperava nervosa o programa começar e chegar a hora em que daríamos entrevista, mas Mat veio até o meu e tentou me acalmar.

- deixa que eu respondo tudo... - ele disse sorrindo. Me sentia tão mal por ele ainda, mas ainda sim concordei.

Quando entramos e sentamos em frente a apresentadora tudo que inicialmente ela fez foi perguntar sobre o filme, como havia sido o tempo de recesso e sobre o acampamento que tínhamos ido. Mas não demorou muito pra que essas perguntas tomassem um rumo diferente.

- bom... parece que você mat teve que sair antecipadamente do acampamento, então foi nesse intervalo de tempo que vocÊs... terminaram? - ela perguntou visivelmente curiosa.

- não extamente... Ja havíamos decidido isso antes. Mas como pode ver, a amizade continua, ainda gosto da Sam mas apenas como amigo... - ele sorriu parecendo natural, ele era realmente bom com isso. 

- ah, sabemos que não é assim... Não pode negar quando é tão na cara Mat. - ela disse e riu. - Mas Sam... parece que você recuperou toda sua memória não é mesmo? - Eu não tinha certeza, mas parecia mesmo que essa mulher queria me provocar, provavelmente ela estava se referindo ao fato de eu ter lembrado do Justin.  


- é, parece que sim, tive bastante a ajuda dos meus amigos... Sinto que não preciso lembrar de mais nada. - respondi forçando meu melhor sorriso.

- é, e parece que vocês dois tem aproveitado bastante esse tempo de folga, andamos espiando a agenda de vocês e vendo o que estavam fazendo... - ela apontou para uma tela no fundo e todos olhamos para ela, primeiro apareceu o Mat no terraço do apartamento dele, ele estava em uma espreguiçadeira perto de uma piscina, com oculos, só de shorts e um lendo um livro, assim que apareceu isso as garotas na plateia soltaram uns gritinhos e risos. - Mat parece mais o tipo relax, o que você faz pra passar o tempo fora isso? 

- bom, não sei... geralmente vou a lugares tranquilos, leio um livro, vou visistar minha família e é isso ae... - ele riu um pouco emcabulado pela reação das meninas. 

- agora a Samantha não é bem assim... - ela apontou de novo e nós olhamos. Tinham fotos de ontem, eu com a Caitlin, a gente na loja de cd's, depois fotos da gente na praça fazendo mímicas  o que fez todos rirem, ainda tive que explicar o que havia acontecido ali, depois mais fotos da gente comendo sorvete e por último, claro, uma foto de quando eu estava na sacada junto com o Justin, justo no momento que ele me deu um beijo na bochecha. Se não fosse pela situação teria amado essa foto. Olhei para a apresentadora e ela olhava para o Mat, assim que direcionei meu olhar pra ele, ele sorriu e abaixou a cabeça desviando o olhar, senti uma pontada incomoda no coração, mas Mat me olhou e olhou  apresentadora de relance. Ele estava me ajudando, mesmo agora ele esta do meu lado. Era isso, eles queriam que eu dissesse alguma coisa.

- hm, eu posso ficar com essa foto? Como a consigo? - eu falei fingindo estar animada e sorrindo, por um segundo ela me olhou surpresa mas logo riu também.

- ah... produção, trate de providenciar isso. - ela disse olhando em volta e sorrindo. - mas... é isso? Vocês realmente assumiram o namoro ou vão dizer que é apenas amizade? hm... - ela perguntou e foi ai que eu quase tive u treco, não tinha lembrado de perguntar isso ao Justin, mas conhecendo ele, com certeza diria...

- sim, sim. Acho que não precisamos falar mais disso, é evidente, certo? - uma voz beeem conhecida veio de tráz de nós, levei um susto que até dei um pequeno pulo no sofá, olhamos pra tráz e lá vinha o Justin sorrindo radiante. As meninas da platéia começaram  bater palmas e gritar, mas eu, eu gelei totalmente. O que ele estava fazendo aqui? olhei para a apresentadora e até ela estava surpresa. 
- JUSTIN? Justin Bieber realmente me pegou de surpresa. - ela riu se levantando. 

- Sabe como é, estava dando uma volta por ai, bateu uma saudade e eu tive que vir... - ele me olhou sorrindo e eu fiquei vermelha.

- aaaahn, que coisa fofa. - ela disse

Olhei para o Mat e agora sim ele não estava com uma expressão muito agradável, coloquei a mão no rosto e abaixei a cabeça. Justin já havia começado a falar da foto e de repente estavamos todos no mesmo sofá. Justin, eu, Mat. Sentia tanta pressão sobre mim que era como se eu fosse ser esmagada pela aura dos dois. 

O resto do programa foi um fiasco, até que ela voltasse ao filme, tirou bastante informação do Justin e ele abestalhado falando e falando. 


Assim que o pragrama acabou tive que ir agradecer ao Mat e me despedir dele, em seguida eu e Justin finalmente fomos conversar, apesar de eu ja saber o que viria a seguir, teria que olhá-lo com um sorriso de determinação no rosto, e incentivá-lo o máximo pra fazer a coisa certa. Queria que fosse tão fácil quanto falar.

-



Justin ficou apenas mais 2 dias, e infelizmente havia chegado o dia em que ele iria viajar em turner, e não só isso, Justin iriaparticipar de um seriado e tudo isso iria ser adicionado a agenda dele, ou seja, ele iria viajar por 2 anos inteiros. Minhas gravações iriam começar e iriam durar 4 meses, depois disso as gravações do próximo e aparentemente ultimo, não sabia ao certo quanto tempo iria durar isso mas não era muito longe de 2 anos também. As vezes eu queria que fossemos apenas pessoas com vida normal, sem essa responsabilidade toda, mas eu não podia reclamar, isso havia me dado muitas oportunidades.

Terminei de me trocar e parti com a Caitlin para o aeroporto onde Justin estava, assim que chegamos lá, ainda tínhamos algum tempo enquanto ele teria que esperar. Não havia nada a se fazer então apenas sentamos um perto do outro e eu mantive minha cabeça no ombro enquanto ele me abraçava firmemente pela cintura, não havíamos conversado sobre o tempo que iríamos passar longe um do outro, apenas sabíamos e nem eu nem ele cedeu a essa conversa. Eu estava me sentindo estranhamente mal, mas não conseguia expressar isso de modo algum, dizem que a tristeza e raiva reprimida é a pior de todas, e parece mesmo que é. As horas que deveriam ser mais lentas se passaram em um piscar de olhos, e logo estavam começando a entrar no avião. Pattie, Scooter, e Justin foram os últimos a se preparar para ir, assim que nos levantamos senti que não tinha força alguma nas pernas mas respirei fundo. Justin apenas me olhou sem expressão alguma no rosto e de repente surgiram as lágrimas, ele era tão fofinho e branquinho que começou a ficar com o rosto vermelho, me controlei o máximo que pude, mas uma maldita lágrima insistiu em cair sem que eu percebesse na frente do Justin e ele me abraçou forte, tão forte que quase me deixou sem ar, mas não o reprimi, apenas retribui o abraço. Com certeza depois disso teriamos um ao outro por completo, mais pertinho. Só tinhamos que aguardar esses 2 anos.

- eu te amo Sam, eu te amo tanto. - ele disse entre as lagrimas sem ao menos frouxar o abraço.

- eu também te amo Justin, por favor, trabalhe duro e volte logo pra mim. - funguei ainda segurando as lágrimas.

Ele segurou meu rosto e eu sorri limpando as lagrimas dele. - tá ficando com o rosto vermelho, pare de chorar... - pedi com um biquinho. - você não devia chorar, e sim sorrir, tá me deixando com o coração partido assim... - reclamei e ele abaixou o olhar. Aproximei meu rosto do dele e lhe dei um selinho demorado, Justin desceu as mãos para minha cintura e me beijou, um beijo longo, cheio de amor, saudade e tristeza. Mas um beijo bom e reconfortante. Separei nossos lábios lentamente com alguns selinhos e encostei minha cabeça no ombro dele o abraçando mais uma vez. Era tão, tão bom, como se eu estivesse sonhando, mas logo fui puxada por um pesadelo, acho que minha ficha não tinha caido, mas algo no meu peito agora doía com a idéia de ficar longe dele era como se só agora eu me desse conta.

- Justin... - Scooter deu um tapa de leve nas costas dele e eu me afastei. - Nos temos que ir. - Justin olhou para ele um pouco relutante e eu lhe dei um tapa de leve no braço.

- vá. - realmente forcei um sorriso e me despedi da Pattie.

Caitlin estava conosco o tempo todo, e assim que o Justin se afastou de mim ela se aproximou e me abraçou, quando Justin já não estava mais a minha vista, foi como um tornado, tudo de uma vez só as lagrimas vieram e eu comecei a chorar abraçando a Caitlin, agradecia por te-la naquele momento ali do meu lado. Me sentei na mesma cadeira onde estava anteriormente e continuei a chorar. Mesmo que a maior parte de mim tivesse aceitado já, havia uma pequena que era contra. Ainda sim era ruim, e parecia que eu já tinh saudade dele.

- 2 anos Sam... aguarde somente 2 anos - ouvi a voz da Caitlin.



( 5 comentários ) uhu, não me matem, espero que gostem. bjxxx <3




Capítulo 113
domingo, 30 de setembro de 2012 | 13:24 | 3 comments


-
“...Parece que ontem ela foi vista saindo do hotel onde ele, Justin, estava e não só isso, parece que quando o nosso lindíssimo cantor estava no aeroporto já para pegar o avião e sair da cidade, Sam foi vista entrando no aeroporto, saindo e logo depois Justin e o pessoal saíram do aeroporto... hm, sei não em gente... Parece que esses dois estão escondendo alguma coisa para nós, aliás... eu nunca mais vi Justin com Selena, nem a Sam com o Mattew, será que os boatos são mesmo reais Lizzi?” – a apresentadora perguntou para a companheira dela. 

“- será? Parece que no mesmo dia que ela saiu do hotel onde ele está, ela foi vista com o ex ou atual namorado dela, o Mat... muito suspeito, oque será que estão aprontando em...” A tal Lizzi comentou. 
“ não sei, mas pra impedir que o Justin pegue um avião... alguma coisa foi...” ela riu. 

“ Mas vamos combinar, eles sã fofos juntos... quem sabe não voltaremos a ver esses dois juntos como antigamente ahn, trocando carinhos em público... hm, o quão íntima será a relação deles... Olha só sei que tem algo ai em... Até hoje ninguém sabe o real motivo deles terem terminado... “ – a outra comentou.
“- dizem que é por causa do acidente né?... – “

Fiquei de saco cheio daquilo, peguei o controle que estava perto do Justin e mudei de canal, na verdade não gosto muito desses programas adolescentes de fofoca, eles sempre levam o público a acreditar em coisas absurdas. Estava no quarto de hotel do Justin, com ele. A pouco minutos antes Alfredo estava aqui, mas por alguma razão saiu e agora estava eu e Justin vendo tv, já tínhamos conversado sobre tantas coisas que até bateu cansaço. Estavamos sentados em uma mesinha, de frente para tv, eu sentada normal e Justin, de alguma forma se equilibrava na cadeira jogando ela pra trás, já tinha desistido de avisá-lo que ele poderia cair, mas era em vão. Ele mexia no celular a algum tempo, no twitter respondendo a perguntas de fãs curiosas, mas ao invés de tentar controlar a situação, ele só as deixava mais confusas achando aquilo engraçado. 

Já era atardezinha e eu havia pensado em muitas coisas antes e no tempo que estive aqui, queria perguntar algumas coisas pra ele só que tinha meio que receio. Mas aquela apresentadora tinha falado algo que eu ainda nem havia sequer pensado. Intimidade. Olhei pro Justin por um momento mas não conseguiria perguntar isso olhando nos olhos deles, só que tinha que aproveitar enquanto estávamos a sós então... Respire Sam, respire. 

- a gente já... – falei tão baixo que eu mesma mal pude ouvir.

- hm? – ele perguntou ainda olhando pro celular, então decidi tentar de novo. – que? 

- você é... virgem? – perguntei por fim soltando o ar de um vez só, logo senti meu rosto esquentar. Na verdade a pergunta não era pra ser essa... era mais um pergunta sobre mim do que sobre ele, eu apenas formulei errado mas já era. 

- AHN? – ouvi um barulho e quando olhei Justin havia se segurado na mesa, a pergunta havia sido tão direta assim que quase o fez cair? De qualquer forma eu tinha avisado sobre ficar brincando com a cadeira...


- JUSTIN ON – 

Ela havia ficado em silencio por tanto tempo que não pensei que a primeira coisa que ela iria falar fosse na verdade uma pergunta, muito menos ESSA pergunta, de repente me vi nervoso. 

- não vou repetir... – Sam virou o rosto que já estava totalmente vermelho. Já sabia qual seria a próxima pergunta e então sorri arrastando minha cadeira um pouco pro lado, perto dela. 

- não... – falei sorrindo perto do ouvido dela, ela ainda estava olhando pro lado.

- s-sério?... é, não é surpresa... – ela suspirou e se virou ainda mais se afastando, ficou calada alguns segundos, apenas esperei sorrindo. Ela estava com ciúmes? – e com quem foi? – 

- ... – esperei pra ver se ela olhava pra mim mas foi inútil, ela mantinha o olhar desviado do meu. Arrastei a cadeira pra trás me encostando na mesa e assim deu pra ver melhor o rosto dela e ela ficou sem saída. – com você. – falei ainda sorrindo, e não podia deixar de voltar aquele dia
.
- que? – ela se virou de repente me olhando meio espantada. Será que ela não sabia de nada mesmo? Me aproximei segurando o rosto dela com uma mão e sorri lhe dando um selinho. 

- com você! – repeti. 


- JUSTIN OFF – 


COMIGO? COMIGO? Isso quer dizer que eu... meu deus, e eu nem lembro disso, que horrível. Acho que havia entrado em estado de choque, só conseguia olhá-lo com um sorriso nos lábios e ele nem havia percebido minha reação. Por incrível que pareça senti meu rosto corar ainda mais. Isso queria dizer que ele já... havia me visto... meu deus...! Senti meu coração acelerar e respirei fundo. 

- eu queria... você queria... – ele me olhou maliciosamente. – nada mais justo! – disse simplesmente. Mas ainda sim não conseguia acreditar, algo em mim não acreditava, por mais que eu pensasse que ele não teria coragem de mentir sobre isso pra mim, ainda sim, saber que eu já tive minha primeira vez e não lembrar era... ruim. – oque? Tá duvidando das suas capacidades? – ele riu e eu o olhei feio, em seguida dei um tapa no braço dele e ele se afastou rindo. 

- idiooota! Aw... – abaixei meu rosto em cima da mesa e bati os pés no chão choramingando. – eu nem lembro... eu não acredito nisso Justin!... – mordi o lábio por um instante e virei um pouco o rosto para olhá-lo de relance. – você... lembra? – perguntei baixo, já estava com vergonha mesmo, não custava nada ir em frente com as perguntas. 

- hm... – ele olhou pra cima pensando, por um instante me senti triste, provavelmente ele não lembraria de algo tão... talvez pra ele não tivesse o mesmo significado. – tudo bem, não precisa se esforçar pra lembrar... – suspirei olhando pra baixo e ele riu. O olhei. 

- me esforçar? – ele riu de novo. – não preciso de esforço, é que falando assim não da pra evitar de lembrar de todos os detalhes então... – senti que ia morrer
.
- JUSTIN!!! – empurrei ele de leve. – af, não fale as coisas assim... tsc

- foi você quem perguntou... – ele riu se fazendo de inocente. – mas se quiser, eu posso te ajudar a lembrar. – Justin balançou as sobrancelhas sorrindo. 

- tá bom. – concordei. 

- ahn? 

- eu disse tá bom, eu aceito sua ajuda. – repeti. 

- tá falando sério? – ele me olhou surpreso.
 
- é é é, quer que eu peça ajuda a outra pessoa? Se bem que tem que ser você ne. – falei. – espera... eu perdi a virgindade com você? – me senti confusa, a resposta tinha que ser obvia mas meio que bateu uma duvida.

- CLARO, COMO ASSIM? – ele bufou fazendo bico e cruzando os braços, como uma criança. – que tipo de pergunta é essa... tsc... É obvio... – ele me olhou emburrado. – por um acaso você e aquele Mat?... 

- hm? Não Justin... para com isso. – virei o rosto me sentindo desconfortável com aquilo. - de... qualquer forma o que você tem a ver com isso? - fiz bico.

- como assim? TENHO TUDO A VER. - ele bateu na mesa e eu o olhei. 

- chato... - me levantei virando de costas e indo em direção a porta, até que ouvi o barulho de cadeira arrastando e logo senti a mão dele no meu braço me impedindo de sair. - que? - o olhei. 

- desculpa... Só que, não posso sequer imaginar vocês dois... - ele fez um bico tão fofo que eu nõ resisti e sorri. - vem cá. 

Justin saiu me puxando e paramos praticamente no meio do quarto, ele colocou as mãos na minha cintura ficando de frente pra mim e sorriu, fiquei meio que sem entender o ato mas coloquei os braços em volta do pescoço de em resposta. 

"ele me puxou colado ao corpo dele  nos começamos a dançar conforme a musica, ele ia cantando em meu ouvido, fechei meus olhos e me deixei ser guiada por ele, e pela voz dele, estavamos dançando lentamente, ele pousou suas maos delicadamente em minha cintura, e estava me conduzindo a todo o tempo."

Senti uma sensação bem estranha, como um dejavú, e não demorou nada pra que algo viesse a minha cabeça, uma lembrança, era como agora mas em outro local. Justin me surpreendeu quando começou a destribuir leves beijos pelo meu pescoço e eu acabei me arrepiando, isso fez com que mais imagens viessem a minha cabeça, era exatamente igual. Era como se eu não pudesse ver nitidamente as coisas a minha frente, minha realidade estava alternando entre as lembranças e devido ao fato das ações dele, eu já estava ficando sem fôlego. Ele passou a dar alguns passos pra trás e eu apenas o segui, até que Justin colocou uma das mãos sobre um lado do meu casaco e ia descendo lentamente completando com beijos no meu ombro. Eu já ia o parar quando cai em cima da cama, nem havia percebido que tinhamos nos aproximado dela, mas ainda sim olhei pra ele um pouco assustada pela atitude. 

- Ju-Juss-Justin... - consegui falar por muito pouco. -  oque...?

Ele ficou sobre mim se apoiando com os braços no colção e o rosto a centimetros do meu e sorriu, um sorriso lindo, e eu logo soube que era o meu preferido desde sempre, não havia dúvidas, levantei um pouco meu rosto e o beijei. No mesmo instante tudo daquela noite me veio a mente, tudo oque havia acontecido, a lembrança completa. Coloquei a mão na cabeça quebrando o beijo e ele segurou minha mão.

- oque foi? - 

- e-eu lembrei... - mordi o lábio olhando pra ele um pouco envergonhada.

- ah... - ele sorriu. - mas já? pocha. 

- Justin... eu acho que... é um pouco cedo demais... - desviei o olhar, não estava indecisa, só meio constrangida.

- cedo? - ele sorriu e beijou minha buchecha. - Eu sei que o problema é porque você tá com vergonha mas, não precisa, não comigo. Sabemos tudo um do outro, e já nos tornamos um só a muito tempo. Isso aqui Sam, - ele pegou minha mão e colocou sobre o peito dele de modo que eu podia sentir seus batimentos. - é seu, te segue a muito tempo, te acampanha pacientemente, aonde quer que você esteja. 

Quase comecei a chorar, mas prendi, com muito esforço as lágrimas. Eu estava apaixonada por ele, mas ainda sim, sentia que ia me apaixonando de novo, a cada vez que ouvia a voz dele, ou o via sorrindo. Não restava mais dúvidas, eu podia lembrar de tudo agora, tinha certeza, desde que estivesse com ele. Passei os braços em volta do pescoço dele e o abracei, Justin abaixou o corpo e encostou o rosto no meu ombro, pude sentir que estava sorrindo ainda.

- toc toc... - ouvimos uma voz e eu olhei pra porta, era o Scooter. - crianças... isso é hora? - ele perguntou e eu automaticamente empurrei o Justin de cima de mim ficando com o rosto completamente vermelho. 
- tava me perguntando porque você ainda não tinha aparecido Scooter. - Justin resmungou. 

Scooter riu e chamou o Justin com um aceno de cabeça. - vem ver. 

Sem falar mais nada acompanhamos o Scooter até um dos quartos onde estavam o pessoal incluindo Pattie, Kenny, Alfredo, Mama Jean e agora nós, Pattie e Kenny estavam perto da porta da sacada e Alfredo estava lá com uma camera, assim que nos viu entrar ele nós chamou lá pra fora, pude ouvir gritos e logo entendi, eram fãs do Justin. O acompanhei até onde Pattie estava mas não sai, Justin foi até a sacada e ficou acenando para elas até que olhou pra trás e me viu perto da Pattie. Ele riu e fez um sinal para as beliebers em seguida veio até mim. 

- oque? - perguntei me recusando a sair dali.

- qual o problema... vamos Sam... É uma boa oportunidade pra revelar logo, não acha? - ele dizia sorrindo e a Pattie ao meu lado concordou com ele, ela me deu um pequeno empurrão oque deu a chance de o Justin segurar na minha mão e me arrastar até a sacada ao lado do Alfredo. Por um momento todo mundo ficou em silêncio e Justin soltou minha mão se encostando na beira, em seguida ele virou o rosto me deu um beijo no bochecha enquanto eu permanecia apenas parada, de repente como cessou os gritos voltaram ainda mais fortes. Logo trouxeram um desses auto falantes e deram para o Justin e ele começou a cantar para elas, apenas acenei algumas vezes e sorri, não era tão ruim como pensei... Não seria fácil para elas aceitarem assim tão de repente, mas quem sabe eu receberia uma nova chance




( 5 comentários ) helloooooo, voltei. Fiquei quase 2 semanas em provas, e na segunda semana meu notebook ficou ruim T_T Tive que pedir a minha amiga pra falar com o namorado dela, dai ele formatou mas mesmo assim, meu notebook... sinto que ele esta morrendo aos poucos /xatiada. Só queria avisar que IB esta chegando ao fiiiiiiiiiiiiim, uuuuh. Eu estava pensando em uns cap especiais tipo: After history. Oque vocês acham? Até porque vou mudar o final que eu tinha planejado porque acho que vocÊs iriam me matar então... POSKAPOSASO enjoy. 


Tumblr_mb5n9bfztl1r1qltwo1_500_large

Capítulo 112
quinta-feira, 13 de setembro de 2012 | 22:02 | 5 comments

Acordei com uma ligação do Mat, por incrível que pareça ele queria que eu fosse a uma lanchonete para conversar, ainda não sabia do que se tratava mas eu realmente precisava ir, apesar de ter dito ao Justin que nos encontraríamos. Sabia bem que se o Justin soubesse ia acabar ficando louco, mas não tinha jeito. Troquei de roupa e esperei a Caitlin também ficar pronta e nós saímos.       

Chegamos numa cafetaria, bem sofisticada pelo visto. A Caitlin estacionou e nós entramos, lá dentro era tudo calmo, as pessoas tomavam café da manhã, acompanhadas ou sozinhas, a maioria trabalhadores percebia-se pelos ternos ou roupas mais adequadas. Não demorou muito e eu vi o Mat em uma mesa perto da grande janela de vidro, mas ele não estava só, logo reconheci sua companhia, Lily.
Apressei o passo e quando cheguei perto deles coloquei a mão no ombro da Lily e ela se levantou me dando um abraço super apertado.

- ow, Lily, nem acredito que está aqui. – sorri largamente.

- amiga, que saudade... – ela segurou minha mão e se afastou um pouco me olhando. – como você tá fofa. – ela riu.

- obrigada... – ela soltou minha mão e cumprimentou a Caitlin.

Olhei para o Mat e me forcei a sorrir, era tão bom poder vê-lo novamente, e pra minha surpresa ele me devolveu um sorriso mais sincero do que nunca, ele realmente parecia brilhante.

- Sam... – ele se levantou e colocou uma das mãos na minha cintura dando um beijo em minha testa, em seguida puxou uma cadeira pra mim e pra Caitlin. Fizemos um pedido leve e esperamos.

- então... – eu disse, não queria ser grossa mas eu não podia deixar de pensar no Justin, e que eu não deveria demorar muito, se ele acabasse sabendo disso iria pensar errado.

- ah, já que voltamos do acampamento mais cedo, temos algumas entrevistas pra ir, e parece que vamos começar a gravar o próximo filme logo, então, me pediram para te avisar. – ele disse concordando consigo mesmo.
- já? – perguntei um pouco surpresa.

- sim sim. E, bem, fomos convidados em um programa. Só não sei como vamos fazer pra dizer... você sabe... –

- ah, é mesmo... – suspirei.

- tssc, deixem isso pra depois... Eu quero saber como você tá... como foi o acampamento, eu to com saudade já que faz uns tempinhos que não te vejo né – a Lily disse já fazendo bico e eu ri

- nada de muito interessante... – eu disse meio sem graça, não queria falar sobre isso com o Mat aqui então lhe dei um aviso pelo olhar e ela riu. – me fale como vão as coisas por lá...

Acabamos esquecendo o tempo e ficamos conversando bastante, até o Mat falava dos novos projetos que ele tinha e como estava pensando em ir a faculdade, Caitlin estava começando a tentar uma carreira como modelo e Lily estaria logo logo começado a facul também.

Depois de um tempo saímos de lá e resolvemos ir para o shopping, não tinha como ficar na rua. Chegamos no shopping e passamos por algumas lojas, estava realmente ficando divertido, estávamos todos ali juntos, como amigos passeando normalmente, e por um lado eu estava feliz pelo Mat continuar sendo meu amigo, como se nada tivesse acontecido, e estava me sentido culpada pelo mesmo motivo, apesar dele parecer bem por fora, sei que ele esta machucado e era minha culpa, mas não adiantava eu ficar transmitindo isso, só iria nos afastar, então apenas me deixei levar pela alegria deles. Enquanto estamos andando, quando recebi uma mensagem do Justin, perguntando onde eu estava.

- merda... – mordi o lábio.

- que foi? Quem é? – Caitlin perguntou e eu mostrei o celular pra ela. – ah...

- esqueci... vou avisar que vou a tarde. Né? – olhei para ela.

- faça isso. – ela sorriu.

Respondi sinceramente, disse que estava no shopping e que iria a tarde conversar com ele. Logo que mandei recebi a resposta em alguns segundos, ele perguntando em que shopping e com quem. Suspirei, não poderia mentir para ele dessa maneira e respondi. Não recebi mais resposta.

Já estamos quase indo embora, Justin não tinha respondido mais. Paramos no macdonalds para comprar sorvete e nos despedir.

- prometa que aparecerá lá em casa! – lily pediu.

- hm, porque você não vem na minha casa também? Hm. – sorri mas acenei concordando. – prometo. Na verdade tenho saudade da minha casa lá em Atlanta. Sério.

- miha mãe cuidou bem da sua casa, mas ainda acho que você devia vende-la. – Caitlin disse e eu a olhei um pouco surpresa.

- não posso fazer isso Cait. – senti meu coração acelerar um pouco.  –não posso mesmo.

- também acho...  - O mat continuou e eu neguei mais uma vez pegando meu sorvete de casquinha e esperando a Lily pegar o dela.

- tsc, eu só não consigo. – suspirei.

- tudo bem, não faça se não quiser ok? – ele sorriu e colocou a mão sobre meu ombro.

- uhum. – concordei.

- SAM... -  ouvi alguém me chamar e olhei para trás. Era o JUSTIN!

Ele se aproximou rapidamente então o Mat tirou a mão no meu ombro e respirou fundo olhando para o outro lado, Justin segurou minha mão sem dizer nada e começou a me puxar, olhei para trás sem palavras e a Lily e Caitlin me olhavam sem entender, o Mat continuou do mesmo jeito.

- Justin... – falei baixo.

- VAI, NOS VEMOS EM CASA... – a Caitlin acenou sorrindo e logo a perdi de vista.

- Justin... – repreendi mais uma vez mas ele continuou me levando, durante o caminho do shopping senti os olhares presos em nós dois e me senti meio constrangida e em pânico. Não tinha assumido e termino do namoro com o Mat para o público, e aposto que nem o Justin havia dito sobre o termino dele com a Selena.  - ... isso vai ser problemático... – falei para ele ouvir mas continuei o deixando me levar.

Saimos do shopping para o estacionamento e antes de entrarmos no carro Justin me soltou. – oque estava fazendo com ele? – perguntou sem se virar e eu sorri, ainda estava com o sorvete na mão e quase derretendo.

- ele me chamou, e eu fui... Ainda somos amigos afinal. – disse ainda sorrindo esperando ele terminar com aquele ciúme bobo.

- tsc, e eu te esperando... – ele cruzou os braços. Fui para frente dele e fiquei o encarando.

- hm, desculpa te fazer esperar tanto... mas você sabe, eu comecei a entender o que eu sinto aqui. – coloquei a mão no peito. – graças a você. – sorri. – Não precisa se preocupar tanto, o Mat foi de muita ajuda pra mim, não posso negar que gosto da companhia dele... Mas você... eu gosto de você de uma maneira diferente.

- não pude evitar...  – ele disse me olhando.

- ok, pra onde vai me levar? Hm, você acabou com meu sorvete... – mostrei pra ele a casquinha com o sorvete derretido.

- vamos ver... vou te levar para passar um dia com todos, como era comum antigamente. – ele sorriu e abriu a porta pra mim, antes de entrar joguei a casquinha no lixo e limpei a mão com o guardanapo.
- o-ok... – sorri um pouco insegura.

Entramos no carro dele e seguimos a caminho do hotel, durante ida Justin colocou um cd dele, e eu fiquei ouvindo as musicas encantada, ele disse que era o primeiro cd dele, e que antigamente era o meu preferido.
Chegamos no hotel e na entrada tinha algumas fãs dele então fomos por trás. Quando entramos fomos para uma parte onde as pessoas estavam comendo, e em uma grande mesa estava a equipe dele, Justin parou perto  da Pattie e falou com todos, fiz o mesmo e nos sentamos.

- então... parece que a Sam voltou... – um cara grandão e moreno falou. Abaixei a cabeça um pouco constrangida e sorri.

- KENNY...  você tá deixando ela com vergonha cara. – o Justin disse do meu lado e colocou o braço em volta do meu ombro.

Eu não sei, mas parece que o Justin esta se comportando como se fossemos namorados, mas não é bem assim... Mordi o lábio e olhei para os rostos em volta da mesa, alguns deles eu já lembrava mas ficava confuso sobre outros.

- lembra de mim né? – um deles falou e riu.

- hm.. Alfr...alfredo?! – sorri.

- HÁ, ISSO AE. – ele riu e olhou para o Justin debochando.

- você lembrou dele tão rapidooo.... – ele fez bico e eu ri.

- bom, parece que temos um dia de folga né? O que vão fazer crianças? – Scooter perguntou nos olhando.
- passar o  dia com vocês, quero que ela lembre de como era quando viajou conosco. – O justin disse e me olhou.  – vamos lá pro quarto e eu vou cantar pra ela. – ele disse e piscou pra mim. Logo Alfredo fez questão de soltar umas risadas.

- ok, vamos sim. – a Pattie concordou visivelmente feliz.

Todos se levantaram e nos fomos em direção ao elevador, mas quando entramos Justin segurou minha mão de novo e me puxou.

- oque foi? – olhei meio confusa.

- Não gosto de elevadores, vamos de escada. – ele disse já subindo as escadas.

- AAAAH SERIO? – eu ri. – aw Justin...

- vaaamos...  – ele disse manhoso e parou me olhando. – além disso, podemos ficar a sós.

- é?... – desviei o olhar... ele provavelmente estava maliciando.

- uhum... – Ele desceu um degrau ficando do meu lado e e então me encostou na parede.

- que mania... – suspirei, mas não pude evitar de sorrir, de alguma maneira me sentia nervosa, mas anciosa com a ideia de que ele poderia ser somente meu, de novo. Dessa vez eu não deixaria nada de ruim nos separar. Definitivamente. 

Passei a mão pelo peitoral dele e o puxei dela camisa, Justin sorria abobadamente e me deu um selinho seguindo para um beijo, eu não podia deixar de me sentir nervosa com o toque dos lábios dele nos meus, era tão calmo, e ao mesmo tempo urgente e cheio de desejo pelo tempo que passamos longe um do outro, eu posso até não ama-lo da mesma forma de antes, porque meu coração se maguou demais com o que aconteceu mas, eu gosto muito muito dele, e to descobrindo mais disso a cada minuto que passa, mas eu me sinto bem, vou poder experimentar me apaixonar por ele novamente. Justin pode ter errado, mas isso não o impede de me conquistar, acho que nosso destino sempre foi esse, estar juntos, não importa o que aconteça, em qualquer vida, eu sempre vou encontra-lo e ele sempre me conquistará. Podemos não ser perfeitos um para o outro, mas podemos lidar com nossas diferenças, agora eu entendo isso. Paramos o beijo para respirar e eu sorri passando a mão no rosto dele em seguida sai correndo pelas escadas e ele veio atrás de mim.

- espera.... SAM! – ele gritou e eu ri.

- não é possível que eu seja mais rápida Justin... – disse subindo.

- aé? – ele correu mais rápido e me alcançou me segurando e eu ri, ele entrelaçou a mão na minha e voltamos a subir calmamente. – tenho uma festa pra ir amanha, quer ir?

- não sei se posso... – falei o olhando.

- sério? Então não vou... – ele falou saindo pela porta que dava no andar, fomos passando pelos quartos até ele parar em frente a uma porta e abri-la.

- nada disso, pode ir sim, é que eu tenho que resolver umas coisas. – sorri. 




Passamos o resto da tarde reunios, e foi muito legal, realmente bom, eu vi alguns vídeos que tínhamos gravado quando estávamos juntos, alguns em shows, outros em programas, e diversos outros, Justin cantou muitas musicas pra mim, entre elas umas bem antigas como, one time, never let you go, favorite girl, born to be somebody e outras mais recentes como mistletoe, eu havia gostado tanto tanto que gravei todos os nomes e não conseguia parar de ouvi-lo e ficar encantada, ele me olhava durante toda a canção o que me deixava ainda mais hipnotizada, algumas vezes Alfredo fazia piada por causa disso e nós riamos, conversei muito com a Pattie e com os outros membros da equipe. Eram todos muito legais, como uma verdadeira família. Ah, ele me mostrou a foto da irmãzinha Jazzy dele também, e do irmãozinho Jaxon, eram adoráveis, Justin tinha muita sorte em ter todas essas pessoas ao lado dele. Na hora de ir embora todos foram muito atenciosos, e eu não pude deixar de me sentir mal, me recusei a deixar o Justin me levar e liguei pra Caitlin, não que estivesse xatiada com ele, mas ver tudo isso me fez sentir uma sandade horrível dos meus pais, da minha própria família. Isso nunca mudaria. Me despedi de todos e esperei com que a Caitlin falasse com todos enquanto Justin me perturbava querendo me levar, mas eu disse que isso traria confusão então ele não precisava. Eu tinha me divertido muito com todos, mas no momento precisava ficar só.

Voltei para casa com a Caitlin e desabafei tudo isso com ela, agradecia muito por ela ser minha amiga, ela apenas me abraçou e não disse nada. Mas eu sei que ela apenas queria me mostrar que tudo ficaria bem. Eu ja sabia disso também, só queria saber quanto tempo minha felicidade por completo demoraria a chegar. 





( 5 comentários ;* ) Não esta láaaa essas coisas mas espero que gostem <3 bjxxx

Tumblr_m96gd1dpkc1qiiwcjo1_500_large







Capítulo 111
terça-feira, 4 de setembro de 2012 | 19:38 | 5 comments

- J...ustin? – ela paracia um pouco surpresa. – oque você...

- como pode ir embora sem me avisar? – perguntei realmente xateado.

Ela suspirou e abaixou a cabeça de novo, tudo o que pude ouvir foi um “me desculpe” abafado, mas não precisei ouvir mais nada, fui até ela e a segurei pelos ombros a levantando.

- Eu não vou desistir ainda Sam, eu te amo. – disse olhando em seus olhos.

- você já desistiu, uma vez. – ela disse sem expressão alguma, foi como um tapa na cara.

- Eu sei que eu errei Samantha, me julgo todos os dias por isso, sei também que é tarde pra me arrepender mas nunca é tarde pra me redimir, eu sei que você tá confusa agora mas me dá uma chance, só mais uma eu prometo que vai ser diferente. Eu não posso viver em paz sem ser com você Sam, por favor. – eu praticamente implorei, não sabia mais o que fazer. – você, gosta de mim, você já percebeu isso né?
- eu... não sei... – ela desviou o olhar e eu já sabia que era um sim.

Não esperei mais nada, segurei o rosto dela com uma mão e a beijei, foi apenas um leve beijo sobre os lábios dela, mas apenas isso era o suficiente para que eu sentisse aquele choque percorrer meu corpo. Respirei fundo de olhos fechados esperando ela dizer qualquer coisa, mas que não ficasse em silêncio.

- sinto muito Justin... ainda não dá. – ela disse e se soltou de mim, eu disse que não ia desistir, mas é como se uma parede tivesse se erguido sobre nós agora.

- ok. – me aproximei de novo e dei um beijo na testa dela. Em seguida me conformei e lutei contra mim mesmo para ir embora.


- JUSTIN OFF –


Já se passaram dois dias desde que o Justin veio aqui e o Mat foi embora, desde então não tive contato com nenhum dos dois, mas Caitlin está vindo me ver, é bom porque faz tempo que não a vejo, de alguma forma sinto falta da companhia dela.

Às 4:30 da tarde ela chegou e eu a ajudei a levar a bolsa até meu quarto. Depois disso expliquei tudo oque havia acontecido desde que passei a morar naquele apartamento, ela me disse como estava as coisas com o namoro dela, que estava ótimo, como Chris estava e o resto do pessoal. Depois disso ela me mostrou alguns vídeos no notebook dela, que ela havia trago, e foi aí onde as coisas mudaram.

Eram alguns vídeos, onde a maioria estavam eu, ela, os meninos e o Justin, eu já namorava ele e nós nos divertíamos demais, outros vídeos de internet mesmo, onde eu estava com o Justin em alguns eventos, e o pior de todos foi um em que ele estava na sacada de um prédio falando com as fãs, e de repente entrou e voltou puxando alguém, eu, que estava de baby doll e toda descabelada, por um momento até ri quando me vi fazendo birra pra ele.

- eu fiquei com muita raiva do Justin pelo que ele te fez amiga, mas apesar de tudo, você era tão feliz ao lado dele... vocês demoraram muito pra ficar juntos, e você sofreu quando você ficou sem ele uma época, e agora eu acho que você tá sofrendo porque tá começando a descobrir seus sentimentos por ele, e como você quer ter ele ao seu lado, você só... não quer aceitar isso ainda. – ela disse segurando minhas mãos.

- será? Ele me deixa tão confusa... E depois de ter terminado com o Mat eu me sinto meio... sozinha... – suspirei.

- isso porque ele se tornou alguém presente demais na sua vida. Voce se apegou a ele, mas se você não gostasse do Justin você nunca teria terminado com o Mat porque você nunca teria o traído. Hm – ela falou calmamente.

Deitei no colo dela tentando arrumar meus pensamentos, e acabei dormindo. Pra minha surpresa aqueles vídeos realmente ajudaram, e eu tive sonhos como lembranças voltando, boas e ruins. O dia em que fomos para a Disney, quando o Justin fugia dos ensaios pra namorar comigo ou me levar pra sair, e um pouco de uma briga e que um garoto batia no Justin mas eu não deixava mais, aquilo era algo que eu não esperava. Eram 7 e alguma coisa da noite quando me acordei e a Cait não estava mais ali, levantei da cama e sai do quarto.

- CAIIITLIN? – chamei por ela.

- aqui... – ela respondeu da sala. Fui ate onde ela estava e sentei no sofá do seu lado, ela via algo na tv, era um aeroporto, e tinha muita gente na parte de fora.

- oque é? – perguntei mas antes que ela pudesse responder a repórter apareceu.


Estamos aqui em frente ao aeroporto onde policiais está tentando conter o tumulto, todas essas fãs de Justin Bieber, beliebers, parecem ter surgido em apenas alguns minutos oque esta causando uma certa confusão com a entrada de passageiros e carros. Parece que o cantor canadense já pediu por via twitter que as fãs se acalmassem e voltassem para casa, mas pelo visto as coisas não estão indo como planejado. A poucos segundos Bieber apareceu por trás dos vidros do aeroporto para tentar acalmá-las mas a policia esta tentando por ordem. Ficamos por aqui, obrigada e boa noite.” Apareceu o Justin dentro do aeroporto acenando para as fãs do lado de fora, ele estava com um sorriso pequeno no rosto mas ainda sim sorria sinceramente. Foi então que eu me liguei: oque ele esta fazendo no aeroporto. Senti meu coração acelerar e me levantei correndo voltando pro quarto, baguncei a cama toda atrás do meu celular até que o achei e tinha uma mensagem de voz, coloquei no viva-voz.

hm.. oi Sam, é o Justin... hm, eu só queria falar com você mas não consegui então deixei essa mensagem... olha, eu... não desisti de você eu apenas... tenho que ir, já que voltei mais cedo eu vou entrar em turner por alguns meses... eu só... bem, vou sentir sua falta... i love you! “ Coloquei a mão em frente a boca e sentei na beira da cama respirando fundo algumas vezes.  A Caitlin já estava parada na porta.

- oque você vai fazer...? – ela perguntou.


- não sei... – mal consegui falar.

- não sabe? Sam, ele tá no aeroporto nesse exato momento, não tem tempo pra pensar. Você precisa decidir.. você QUER ir atrás dele?

- IR ATRÁS DELE? – quando eu mesma disse isso senti algo como adrenalina dentro de mim. Como um sinal positivo.

- é, ele vai partir não sei quantos meses, daqui a algum tempo você vai começar a gravar e só deus sabe quando vão se ver. – ela disse ironicamente e eu olhei pra ela surpresa. – é... é isso mesmo.

- droga... – suspirei.

A Caitlin veio até mim e pegou o celular discando algum número. – Caixa postal, ótimo nem tem como falar com ele. Olha Sam, se você decidiu isso então tá bom, só não quero que você sofra amiga, mas se você acha que não deve ficar com nenhum dos do... – antes que ela terminasse de falar já tinha pego um casaco, colocado e sai correndo. – ME ESPERE. – Pude ouvir ela correndo até mim enquanto eu descia as escadas correndo, não dava pra simplesmente esperar o elevador.

- Sam, o carro. – é definitivamente eu precisava de um carro, até a Caitlin tem um.

Fomos até o estacionamento do prédio e entramos no carro dela, ela estava com a bolsa grande que ela havia trago junto com a mala, porém essa era de lado, só então percebi que a coitada estava praticamente sem ar. Caitlin foi o mais rápido que pode enquanto eu ficava praticamente branca e sem ar pedindo pra ela ir mais de vagar. Tivemos que pedir informação em alguns lugares já que por mais que eu morasse aqui em hollywood, não significava que eu sabia de tudo. Quando finalmente chegamos ao aeroporto, ou seja, perto dele, porque não dava pra se aproximar mais de carro, ainda tinham fãs lá, comecei a ficar agoniada, não iria dar tempo. Caitlin se esticou pro meu lado e abriu a porta.

- oque?

- VAI, ANDA LOGO... EU ENCONTRO COM VOCÊ DEPOIS...e toma pega isso. – ela me deu a bolsa mas eu continuei sem entender. – tsc, se você estiver com bolsa vai ser mais fácil entrar e não vai ser confundida com uma fã.

- ata, obrigada Cait.

- de nada, agora vai. Vai! – ela praticamente me empurrou do carro. Observei primeiramente onde estamos, e então comecei a correr, com a porcaria da bolsa me atrapalhando. Passei por alguns taxis, carros e pessoas até que vi alguns policiais , parei de correr e respirei fundo. Assim que me aproximei deles fiz olhar de desentedida.

- hm, boa noite... Meu nome é Samantha, Eu tenho um voo marcado agora de noite to um pouquinho atrasada, mas como faço pra entrar com esse tumulto aqui? – perguntei.

- ata, você só quer fazer mais barulho com o resto das fãs não é moça?

- ah? – Esse policial só dificultando tudo, até que o outro do lado dele o cutucou.

- hei, eu sei que é ela, é uma atriz cara, não é fã. Desculpa moça, vamos levar você até lá.

- obrigada. – sorri tentando parecer calma. – mas.. desculpe, porque esse tumulto aqui? – perguntei como se não soubesse enquanto íamos por um canto onde tinham mais policiais e dava pra passar.

- não viu nas notícias? Aquele cantorzinho esta no aeroporto, não sei oque ele garoto tem mais até minhas filhas pequenas o adoram, é grito para todos os lados quando aparece ele na tv. – ele rindo e eu sorri concordando somente. Assim que chegamos na entrada ele apontou pra dentro e acenou.

- obrigada viu.

- ah, hei... você não era aquela namorada dele? – ele perguntou me olhando.

- hm... é. – sorri sem graça e ele riu saindo.

Quando ele virou de costas sai correndo loucamente, infelizmente o aeroporto era realmente grande e eu não sabia mais oque fazer. Peguei meu celular no bolso e coloquei nas ultimas chamadas e liguei, ainda estava na caixa postal então continuei apenas procurando. Quando ia chegando a uma das extremidades do lugar vi uma sala de vidro, parecia uma sala de espera, tinha bastante gente lá, algumas em pé e outras deitadas mas não dava pra ver direito, ainda não estava perto o suficiente. Mas ao olhar uma das pessoas deitadas, vi alguém esticado na cadeira mexendo em algo, e assim que vi os pés me coração acelerou ainda mais, supras. Ele pegou alguma coisa do bolso e comecei a correr de novo, de repente o Justin se levantou e começaram a sair da sala para o “pátio” de voo.

Antes que eu pudesse chegar lá alguém esbarrou em mim com o carrinho de mala e eu acabei caindo.
- ai... – coloquei a mão no tornozelo e peguei meu celular que havia caído também.

- desculpa moça mas você veio correndo, deixa eu te ajudar. – Um rapaz alto pegou minha mão e me levantou.

- desculpa e obrigada... – falei me levantando, mas meu tornozelo reclamou um pouquinho.

- sera que torceu? – ele perguntou e eu concordei.


- não sei... – levantei meu olhar e não tinha mais ninguém na sala, não quis nem saber e comecei a me apressar mancando mesmo.

- ei!!! – ele chamou e eu dei chão agradecendo.

Assim que cheguei na entrada da sala, o outro lado também de vidro pude ver eles entrando em um avião pequeno, deveria ser particular.

- moça, você não pode entrar aqui. – um guarda disse pra mim.

- espera, eu preciso falar com... com... O Scooter, ele tá indo ali óh. – apontei e ele olhou.

- infelizmente não tenho permissão pra deixar você passar. – ele disse no mesmo tom.

- ai... – me encostei na parede. – meu tornozelo... aiai!

- oque houve?

- eu bati em alguém e cai. – falei como quem tá com dor.

- ei, não saia correndo assim, você tá bem? – o mesmo moço que me ajudou apareceu olhando meu pé.

- não, sr. Guarda, pode achar ajuda pra mim? – perguntei.

- hm, aguarde aqui só um minuto. – assim que ele pegou o radio e virou de costas tentando falar com alguém e sai correndo de novo por dentro da sala e em seguida saindo. Peguei meu celular e disquei mais uma vez o numero dele. De longe vi que já tinham entrando grande parte, mas eu não sabia quem tava do lado de fora, tava escuro e apesar das luzes não dava pra ver direito.

Parei sem folego e pra minha surpresa ele atendeu o celular, imediatamente voltei a correr.

- JUSTIN... – falei no celular.

- S..am? – ele pareceu surpreso, confesso que só de ouvir a voz dele senti uma sensação maravilhosa e sorri. Já dava pra ver quem tava do lado de fora, e era o Scooter e outra pessoa, e... o Justin.

- por favor... não vai... – eu parei de correr sem conseguir mais e arfando.

- oque? – pude ver ele se virando. – SAM.. é... você... aqui?

- aham... quase cheguei tarde demais né?... desculpa, to cansada... – ainda tava respirando fundo.

- oque...

- Justin... e-e-eu gosto de você e...não quero...que você fique longe... – assumi praticamente com lágrimas nos olhos, nunca pensei que diria isso assim. Cara a cara, praticamente. Ele não disse mais nada e desligou, por um momento meu coração até doeu e eu pensei que ele ia mesmo assim, sem falar comigo mais nada, até que o vi correndo na minha diração. Apenas caminhei sem conseguir mais correr.

Quando se aproximou de mim ele parou de correr e parou um pouco afastado, ele olhava pra mim como se não estivesse acreditando ainda. Ficamos apenas assim, um olhando para o outro, sem precisar de palavras, o olhar compartilhava tudo o que queríamos. Senti uma lágrima morna descendo pelo meu rosto e ele se aproximou mais ,dessa vez ficando bem perto, eu quis fechar os olhos e apenas sentir o momento, mas minha vontade de olhar nos olhos cor de mel dele foi maior, e foi o que eu fiz. Naquele momento eu não tive duvidas de mais nada. Ele pareceu hesitar por um momento mas eu não, coloquei uma mão no rosto dele, o sentindo e sorri, assim como eu, uma lagrima desceu pelo rosto dele e eu logo a sequei;

- essa lágrima... foi de alegria ou quer dizer que eu cheguei tarde demais mesmo? – perguntei já abaixando a mão, mas ele segurou no lugar.

- quer dizer que eu te amo tanto, e que eu não consigo acreditar que você tá aqui.. acho que eu to no avião sonhando.  – ele disse apertando minha mão um pouco.

- não é sonho... eu acho.

Ele segurou meu rosto e encostou nossas testas uma na outra, só por isso senti meu corpo arrepiar e fechei os olhos respirando fundo e sentindo o perfume dele. Pra mim, havia tudo sido tão rápido a princípio, mas então percebi que desde o início Justin tinha razão, meu coração pertencia a ele, eu só havia esquecido disso por um tempo, então quando o vi novamente tudo veio aos poucos. Mas é ele quem eu gosto, e possivelmente amo. Só quero esperar mais um pouco pra ter certeza disso.

- eu te amo, muito, muito... – ele continuou repetindo e começou a me dar selinhos, até que esse selinho se transformou em um beijo no momento que ele pediu passagem com a língua e eu permiti.

Aquele beijo foi tão doce, macio e quente, que eu me senti totalmente confortável e mole perto dele. Justin segurou minha cintura aprofundando o beijo cada vez mais, não queríamos nem saber de respirar, até que alguém pigarreou atrás do Justin.

- H-E-I! Meninos...? – era uma voz masculina. Continuamos o beijo por mais alguns segundos e lutando contra a vontade de continuar separamos nossos rosto, mas ele ainda segurava minha cintura colando meu corpo ao dele e olhou pra trás. Olhei por cima do ombro dele e metade das pessoas havia descido do avião, e o Scooter estava atrás de nós com uma cara indignada, mais um pouco atrás dele tinha uma mulher e era, a mãe dele, Pattie. Não pude evitar a vergonha. O olhar da mãe dele era de total surpresa, ela se aproximou mais um pouco e eu automaticamente larguei o Justin me afastando dele, eu estava tão envergonhada que nem liguei pro olhar de reprovação dele.

- sempre você em... – ele disse olhando de cara feia pro Scooter e o mesmo riu.

- d-d-d-d-des-cul..pa... – mal consegui falar, tava começando a achar que ia ter um avc ali mesmo.

-           Sam..antha? SAMAANTHA? Justin ela... – a mãe dele alternava o olhar entre mim e ele, comecei a pensar que ela ia repreende-lo mas me surpreendi com um abraço dela.

- ah? – olhei pro Justin e ele sorriu confortavelmente. Meu coração entendeu e se acalmou com aquele sorriso. Não pude mais desviar o olhar do dele.

- Sam, querida... como senti sua falta, aw. Me deixe olhar pra você – ela se afastou me olhando. – Não fique com vergonha, você tem que ter lembrado de mim, você lembrou né? Aw, me sinto triste em saber que sou a única da qual não lembra, to muito xatiada... – ele fez uma carinha triste realmente fofa.
- e-eu lembro... mais claramente das coisas agora... – respondi baixo.

- SERIO? Aw que bom! – ela sorriu e apertou minha bochecha, mas então pareceu perceber algo, foi ai que a vergonha voltou. – mas.. oque... você... ele... Justin... Justin?

- Mãe... – ele ainda sorria pra mim mas logo ficou um pouco sério. – ah, calma ai né... – Justin segurou minha mão e me puxou pra perto de novo me abraçando em seguida. – deixa eu aproveita-la mais um pouquinho... – ele disse com o rosto escondido no meu pescoço, pude sentir a respiração dele tocando minha pele e corei.

- Justin, o voo. – ouvi a voz do Scooter de novo. 

- Justin,... Justin... – cutuquei ele. – você...precisa ir... – tentei parecer forte na voz mas foi em vão.

- que? – ele me olhou.

- vo-voce tem que ir... – mordi o lábio e desviei o olhar.

- não... eu não quero, não quero mais. – ele olhou pro Scooter em seguida pra Pattie. – mãe...

A Pattie olhou pro Scooter, pro Justin e por fim pra mim, quase mordendo a uma e em seguida soltou um suspiro fazendo cara de inocente.

- podemos adiar só mais uns dias... Scooter? – ela perguntou olhando pra ele.

- oque? Claro que... – então ele percebeu o olhar de todos pra ele e suspirou. – Vou dar um jeito, mas não podemos adiar muito, vai atrasar as coisas e você sabe Justin...

- eu sei... – ele me abraçou mais apertado.

- bom, não que eu queira botar pressão mas... vocês voltaram? Voltarão?... – Pattie olhou pra gente sorrindo e eu fiquei vermelha.

- mãe..! Isso é colocar pressão, eu vou dar o tempo que ela precisar pra isso, sendo que eu já sei que ela me ama, ela só precisa acordar. – ele disse naturalmente e eu revirei os olhos, não poderia ter sido mais convencido.

- aw, sera que vou ter minhas crianças por perto novamente?! Aw. – ela disse sorrindo.

- Vamos voltar para o hotel, ok? – o Scooter disse desligando o celular e todos concordaram, alguém voltou ao avião para avisar e aos poucos todos foram saindo.

- Justin, vai no seu carro com sua mãe e a Sam? – ele perguntou e o Justin concordou ao mesmo tempo que eu neguei.

- Não, tem muita gente lá fora... Justin, não quero que exploda assim de repente isso... eu... – tentei me explicar porque talvez ele não entendesse mas fui calada com um selinho.

- mas eu não quero ficar longe de você. – ele disse.

- eu preciso voltar pro meu ap, e a Caitlin tá lá fora me esperando. – eu disse.

- tsc... nesse caso... eu vou te ver amanha, bem cedo, cedinho, e vamos passar o dia juntos. – ele disse olhando nos meus olhos.

- suas fãs vão interditar meu prédio. Onde você vai ficar?

- no Hollywood Boulevard. – a Pattie respondeu.

- ok, então… eu vou voltar… a Caitlin deve estar esperando… - eu disse mas o Justin me apertou contra ele. – Justin... assim eu não consigo ir... – e ele me apertou mais ainda.

- deixe-a ir Justin, amanhã vocês conversam com mais calma. – Pattie disse.

- tsc... tá... – ele me soltou e começamos a voltar de onde a gente veio, algo me incomodava, eu queria poder segurar a mão dele mas... ainda não.

Quando passamos pela salinha o guarda ficou me olhando e quase ia me tirando de perto deles  o Justin quase fez escândalo, o que foi um pouco engraçado, mas o Scooter arrumou uma desculpa mirabolante e passamos, antes que chegássemos a entrada, Justin ia seguir outro caminho e sair por trás, enquanto eu ia sair pela frente mesmo. Ele me abraçou super apertado mas não nos beijamos, prologamos o abraço e um olhar e em seguida ele foi, fiquei alguns minutos parada olhando ele ir, e então percebi que meu coração havia se acalmado e até minha mente estava mais vazia, é como se eu precisasse somente estar perto dele e puf, tudo sumia. Voltei pra entrada e sai com a mente flutuando, até que ouço gritarem meu nome.

- É A SAM, SAAAM. – varias daquelas meninas começaram a me chamar e perguntar se eu havia visto o Justin, um policial veio me ajudar e eu apenas sorri e acenei.

Caitlin me ligou e estava com o carro perto, então assim que a encontrei começamos a voltar pra casa.

- e então? Ele já havia ido? – ela disse desanimada. Me encostei no banco e fechei os olhos.

- não, eu consegui por pouco falar com ele. – falei baixo.

- e ai?

- não sei... nós nos beijamos e... é isso. – suspirei.

- aaaah fala sério, que deja-vu cara. Como da primeira vez, vocês apenas se beijaram... Não resolveram nada, e só quando aconteceu uma tragédia que vocês finalmente...!!!!!!! – ela bufou e ficou repetindo “deja-vu, deja-vu”. Chegamos em casa e eu fui direto dormir, estava cansada.


( 5 comentários ;* ) Olha gente, não quero ser ignorante mas pfv, tudo bem que eu atrasei e tal, mas nossa, eu não sou a única pessoa no mundo que escreve uma IB e atrasa, pelo menos eu não fiz como muitas que escreve e logo abandona. Por mais eu passe alguns dias sem postar no final das contas eu posto, então se não quiser mais ler, ok, obrigado por ter acompanhado até agora, e ok, respeito sua decisão, mas não precisa ficar se stressando só por causa disso né, eu aposto que existem milhões melhores que a minha então, quando eu não postar continuem lendo as outras, tem umas no meu recomendo que eu adoro. e tipo, NÃO, eu NÃO demoro muito de propósito ANONY, com qual propósito eu faria isso, cara, sem sentido isso aê. Só que tem uma coisa, eu não tenho aquela imaginação fértil pra caramba, eu preciso pensar direito no que escrever pra não fazer de qualquer jeito. Então não, não é de propósito. Se você não quer ler, tudo bem, mas não precisa ficar postando esse tipo de comentário como se eu tivesse OBRIGAÇÃO de postar as coisas. 




ps.: obrigaaaada pelo selo \(*o*)/  (outro, óh, qulindju, sês são uma lindeza <3 tsc)



maaaais 5 perguntas né? SUAHSAIUSH ok, leggo! ... Ah, antes avisando que eu não dou o selinho porque eu não to lendo nenhuma IB atualmente gente, então... sorry ): , mas eu vou pesquisar aqui, e envio ok? ok.

1. Me diga o tamanho do seu amor pelo Justin: Ah gente, eu não sei como explicar, a ultima pergunta foi mais ou menos assim né? Então... é isso. Amor não é uma coisa fácil de se explicar. É um tipo diferente de amor. 
2. Já sonhou em se casar com o Justin? KKKK gente, olha, eu fico olhando meus posters antes de dormir né, porque eu fico no note ai não tem como não olhar, daí uma vez eu sonhei mas sabe aqueles sonhos, que na boa, são beeeeeem reais, você nem consegue diferenciar da realidade? Porque tipo, tem sonho que você de certa forma "sabe" que é sonho, mas esse não né, ai eu via o Justin e ele me beijava, mas eu acordei tão chocada, tão chocada que eu fiquei tipo, - que produção?, o dia todo pensando nisso, tenso. POSKPAOSAPSK ~le vergonha. Mas já sonhei sim. 
3. Sente orgulho do Kidrauhl? É por isso que eu sou belieber, eu vejo, e admiro todos os passos do Justin cara, nossa, sabe, orgulho alheio... Acho que isso que sempre me cativa mais. 
4. É belieber desde quando? wow, não lembro data... nem mês... só sei que nada sei e quando vi, puf. Mas foi em 2010. 
5. Oque irá fazer quando conhecer o Justin? aaaaaaaaaaaaaw, já respondi isso. SOPASOASK, mas enfim, ia querer abraçá-lo daquele jeito que tipo, não quero te deixar ir então porfavor não va, e ia querer que ele cantasse pra mim, hehe. Quero ver o sorriso dele de perto ): que sonho...